Com Belfort x Weidman em Vegas, como fica Curitiba?

Renato Rebelo | 23/07/2014 às 22:55
vitor-sonnen-evelynrodrigues-5

Belfa sorrindo à toa na audiência da NSAC

Que dia!

Em pouco mais de 24 horas, ficamos sabendo que o UFC levaria o pay-per-view brasileiro de 2014 do Maracanãzinho (Rio de Janeiro) para a Arena da Baixada (Curitiba), Vitor Belfort e Chael Sonnen foram julgados na mesma audiência da Comissão Atlética de Nevada e ainda fora anunciada a substituição do lesionado Alexander Gustafsson por Daniel Cormier na luta principal do UFC 178.

Por hora, me aterei ao assunto sugerido no título.

Sendo assim, não vou entrar muito no mérito da licença concedida hoje a Vitor Belfort ser ou não a decisão mais acertada em direção à moralização do esporte.

Apenas proponho a vocês uma reflexão:

O atleta X foi flagrado em exame antidoping pela comissão do estado Y. Ele ignora a pena estipulada pelo órgão estatal e luta em outro país quando deveria estar cumprindo suspensão. Anos depois, na iminência de retornar ao local para trabalhar, ele é testado de surpresa e é pego com níveis de testosterona acima do permitido. Sua luta cai e, de quebra, a terapia de reposição de testosterona passa a ser ilegal. Mesmo assim, ele resolve pedir licença para fazer uma das lutas mais aguardadas do ano – que deve gerar milhões de dólares à economia local (que sustenta a própria comissão Y)- e é aceito. Temos aqui um caso de combate exemplar ao uso de substância proibidas?

As audiências de Sonnen e Belfort se assemelham muito com a audiência da NSAC para reinstaurar a licença do Mike Tyson após morder a orelha do Evander Hollyfield. Similaridades políticas incontáveis entre elas”, chiou a VADA (Voluntary Anti-Doping Association) através de seu Twitter.

Enfim, caminhemos…

Concreto mesmo é o fato que o Fenômeno topou ser testado – de surpresa ou quando for requisitado- de hoje até o dia em que pendurar as luvas para poder disputar o cinturão no UFC 181 do dia seis de outubro contra Chris Weidman.

O cinturão com certeza vai estar aqui na minha cintura. Vou estar levando para o Brasil. A gente ganhou esse cinturão hoje e só vai lá pegar o que é nosso – comentou o carioca ao SporTV.

A notícia, no entanto, pegou uma mulambada (na qual eu me incluo) no contrapé.

Ora, boatos davam conta que duas disputas de cinturão aportariam no Brasil em 25 de outubro.

Do contrário, não faria muito sentido reservar um estádio que comporta até 50 mil torcedores para o UFC 179.

Já que José Aldo x Chad Mendes é praticamente morte anunciada, sobraria apenas Vitinho tentando reivindicar o título dos médios na Ilha de Veracruz (considerando que os demais campeões estão comprometidos ou machucados).

Você sabe quão grande seria essa luta no Brasil? Enorme. Seria para um grande estádio. Esgotaríamos os ingressos lá. É tudo uma questão dele ter a licença aprovada pela comissão atlética”, mandou recentemente Dana White, assumindo a intenção de fazer Belfort x Weidman por aqui.

Sem ele, o UFC se vê obrigado a rechear o card para não falhar miseravelmente caso promova duas estreias (1ª- no mercado paranaense e 2ª- em estádios brasileiros) numa tacada só.

O que me faz crer que, neste caso, teríamos:

Arena-da-baixada-curitiba

Nova Arena da Baixada

Júnior Cigano – Quase 100%, o ex-campeão dos pesados estará disponível para enfrentar, possivelmente, o descendente de croatas Stipe Miocic – adversário original do TUF Brasil 3 Finale.

Maurício Shogun – Pouco se fala sobre ele desde a derrota acachapante para Dan Henderson. De qualquer forma, Shogun deve fazer questão de atuar em sua cidade natal.

Wanderlei Silva – Como não havia pedido licença para lutar quando se negou a fazer o exame antidoping (e a concessão de licença à Belfort abre esse precedente), há uma chance remotíssima de Wand voltar a atuar esse ano. Caso seja julgado e condenado pela atitude (o que é mais provável), nada feito.

Ingressos baratos – Talvez, o maior reforço. Não há muitas divisões na arquibancada do estádio do Atlético Paranaense, portanto, tudo leva a crer que o Ultimate cobrará um preço acessível da maior parte da torcida e só meterá a mão nos acentos próximos à jaula

Se o card “flopar”, Dana e sua turma ainda podem retornar ao Maracanãzinho (a reserva está de pé) ou até incursionar São Paulo na mesma data.

Resta saber o que vocês acham de tudo isso, amigos. Qual seria a opção mais prudente?

Abraços.

ATUALIZAÇÃO: Segundo o Portal Terra, o UFC recuou e desistiu da idéia de firmar o UFC 179 do dia 25 de outubro na Arena da Baixada, em Curitiba. O evento está certo para o Maracanãzinho (que comporta atualmente cerca de 11 mil torcedores), Rio de Janeiro!

  • dracoTMX

    um card bom, mas não muito exagero pra Arena seria:

    Vitor Belfort vs. Chris Weidman
    José Aldo vs. Chad Mendes 2
    Junior Cigano vs. Alistair Overeem
    Wanderlei Silva vs. Michael Bisping 2
    Mauricio Shogun vs. Rogério Minotouro (caso ele perca).

    quem sabe Minotauro também

    • dracoTMX

      exagerado*

  • Rafael Cunha Caroline Reis

    Pra colocar 50mil pessoas com essas opções eu acho bem complicado com os preços que o UFC pratica, talvez com um (mega improvável) retorno do Anderson, mas não impossível.

  • Luis Felipe Fabricio

    Eu acredito que dificilmente enchem um estádio sem o apelo comercial do vitor e weidman, com todo o respeito aos demais lutadores, a moral da história é que o card volta pro rio.

    • Carlos Montalvão

      Concordo, a idéia de que “o cara que venceu a lenda Anderson Silva 2x seguidas e em seguida o Lyoto Machida” lutar contra a Belfort em terras tupiniquins com uma razoável chance de perder o cinturão aqui, vende muito mais que a luta do Aldo contra “o cara que tá falando um monte de merda do campeão e que já foi nocauteado com uma joelhada na boca pelo próprio”

  • Renato Rebelo

    Na opinião do jornaleiro aqui, só Anderson Silva (disponível apenas em 2015) ou Belfort (com o apoio co-lutas principais interessantes e setores com ingressos populares) enchem estádio no Brasil…

    • Rafael Cunha Caroline Reis

      Bom, Nick Diaz assinou um novo contrato hoje e o AS ta postando fotos direto treinando forte. E todos sabem que o que ele fala não dá pra escrever, tipo Jamais enfrentaria o Chael Sonnen pela segunda vez e etc.. Curitiba, estádio de futebol, muitas verdinha$$, deve soar pelo menos interessante.

    • Rodrigo Loureiro

      Como carioca torço para que esse card do UFC 179 aconteça no Rio, mas também como fã e brasileiro, ficaria também muito feliz de poder presenciar um estádio inteiro gritando “uh vai morrer” e o nome de nossos atletas. Seria algo bonito de se ver, apesar de também achar que não temos capacidade para lotar um estádio, vide o UFC 163 aqui no Rio, que li muitas pessoas falando que o publico foi bem abaixo do esperado. Claro um evento na arena da Baixada com ingressos de 80 reais na arquibancada e ingressos mais caros perto do cage, acho que existe a possibilidade de encher mas não lotar.

  • Lucas Pereira Carrano

    Debatemos este assunto no campo das probabilidade ontem e hoje, com as cartas na mesa, fiquei com a pulga atrás da orelha.

    Quando vazou a hipótese de Curitiba, o UFC já havia instruído Belfort a pedir licença só pro fim do ano e negociado verbalmente o acordo pra luta contra o Weidman em dezembro. Ou seja, só me restaram duas hipóteses plausíveis para mim:

    1. Um improvável retorno de Anderson Silva (o único acontecimento que me faz acreditar ser possível que o UFC sequer cogitou um evento em estádio de futebol sabendo que Belfa x Weidman não seria por lá).

    2. Ingressos a preço irrisório e muita confiança em Aldo x Mendes (o segundo menos provável) e/ou alguns adversários bem surpreendentes e atrativos para os Cigano, Wand ou quem mais integre esse card – confesso que essa última eu nem consigo supor.

    • Renato Rebelo

      Faz muito sentido, Lucão. Será que seremos surpreendidos? O que poderia sair além do que tá meio na cara?

  • Negreiros

    lotar estádio no brasil?? ufc virou campeonato brasileiro (jogo quarta e dom) nem por aqui mais é novidade.
    só juntando grandes astros(não só do país) e com preço de série B.

  • Carlos Montalvão

    Moro em Curitiba, queria muito assistir um UFC na Baixada com casa cheia, mas pra mim que esse evento aqui cai. Acredito ser impossível o Anderson Silva voltar à tempo só pra salvar o evento e já que mudaram Weidman x Belfort pra Vegas (?), acho que a única forma de encher o estádio seria um card mais ou menos assim (e possivelmente dar um jeito de trazer a Ronda Rousey pra atrair – muita – mídia e a atenção da mulherada):

    José Aldo x Chad Mendes 2 (se deixarem o Mendes de molho até o Aldo recuperar)
    Ronda Rousey x Sarah Kaufman (única Top 5 sem luta marcada, fora a Davis)
    Junior Cigano x Stipe Miocic
    Mauricio Shogun x Jimi Manuwa
    Wanderlei Silva x Costas Philippou

    Taí uma maneira fácil de vender 50 mil ingressos, faz uma ação com os brasileiros do card principal mais a Ronda e o Spider em alguns pontos da cidade e pronto. Na pior das hipóteses se a Rousey não se recuperar das cirurgias à tempo, coloquem uma Alexis Davis x Sarah Kaufman II (já que a Alexis já tá conhecida no Brasil, infelizmente por um motivo não muito bom) que daria um lutão, ou Kaufman x Eye II (pra “reverter” o No Contest do UFC 166)

    Resumindo, acima seria minha primeira opção, mas se não rolasse a campeã feminina, seria assim:

    José Aldo x Chad Mendes 2
    Junior Cigano x Stipe Miocic
    Mauricio Shogun x Jimi Manuwa
    Wanderlei Silva x Costas Philippou
    Sarah Kaufman x Alexis Davis/Jessica Eye 2
    +
    Card Preliminar

    Provavelmente eu tô sonhando muito alto e o evento vai ser no RJ mesmo, mas não custa imaginar. Pensei em Glover Teixeira x Rashad Evans também mas aí ia sugar um excelente combate para os futuros UFC Fight Night haha. E o Shogun não tinha uma luta prevista pro card no Japão?

    • Renato Rebelo

      Boas opções, fera. E olha que o Dana está indo com a Ronda pra China essa semana e disse que tb quer levar ela pro Brasil. Será?

      • Leo Ferreira

        Olha, eu sei de uma coisa, se for pra ter brasileiros desconhecidos x gringos mais desconhecidos ainda, não lota arena não

  • Nelson Lavenère-Wanderley

    Só não entendi pq vc disse que Chad x Aldo é morte anunciada. Para mim essa luta acontece ainda esse ano e se tornou a candidata numero um para esse card de outubro aqui no Brasil (seja lá onde for, Curitiba, Rio ou SP)

    • Renato Rebelo

      Morte anunciada quer dizer que é certo de acontecer, Nelson! hehehe

      • Nelson Lavenère-Wanderley

        Ah sim, tinha entendido ao contrário.

  • Leo Ferreira

    Eu sonhei com essa luta em Curitiba, já até estava pensando em ir comprando passagens aéreas pra ficar mais barato, porque na minha cabeça, somente Belfort disputando a cinta é que poderia lotar a arena, e num plot-twist do caralho, imaginei até Anderson Silva pegando um Brad Tavares da vida, era uma possibilidade… Bom, na moral? Só se fosse um card muito foda pra me mover daqui, pq pra Curitiba, a passagem é cara demais! auhauhauhuah

  • mazzaropi

    NSAC faz política insidiosa para o corporativismo americano!

    Como eu acredito em coelhinho da Páscoa, Papai Noel e gnomos, então, também acredito em qualquer história que me contarem!

    http://2.bp.blogspot.com/-7bV6DzYlbxY/UPW2Tl9C3PI/AAAAAAAACDM/HDB8TIMsC5M/s1600/Yao+Ming.jpg