Pensando alto: a análise informal do TUF 19 Finale

Lucas Carrano | 07/07/2014 às 01:19

Olá, galera do Sexto Round,

Mais uma vez, devido à agenda recheada de compromissos do titular Renato Rebelo nesta semana em Las Vegas, sou eu quem dou as caras novamente aqui no “Pensando alto”.

Na ressaca de mais uma exibição assombrosa de Ronda Rousey e da frustração, pelas mãos de Chris Weidman, da arma número um do Brasil para tentar recuperar o cinturão dos médios, chegou na esteira o TUF 19 Finale.

Conclusão de uma das temporadas mais mornas do reality show, que rendeu comparações de Dana White com a fatídica 16ª edição (bate na madeira três vezes, careca), o card no domingão teve seus atrativos.

Portanto, deixemos logo de apresentações, e vamos a eles:

EDGARFrankie Edgar x BJ Penn 

Esqueçam o alvo fixo no centro do octógono montado no Mandalay Bay. Esqueçam o queixo alto em uma guarda estranhíssima ou as pernas incrivelmente próximas e não flexionadas, que pareciam atrapalhar ainda mais a já prejudicada movimentação diante de um adversário frenético. Esqueçam a surra constangedora do TUF 19 Finale. Fiquem com a animação de Bruce Buffer ao anunciá-lo mais uma vez. Encerrar essa trilogia com Edgar não foi uma grande ideia, sequer no comando do TUF (onde o time Penn foi varrido). Mas pode ser vista como uma chance dos que se afeiçoaram ao MMA acompanhando o havaiano de sotaque inconfundível se despedirem ou dos que não puderam acompanhá-lo enfim dizerem, mesmo que diante de um massacre como o deste domingo: “Eu vi BJ Penn lutar!”. Independentemente das circunstâncias, este foi o estertor de uma carreira grandiosa – que, entre outros feitos, incluiu a rara conquista de dois cinturões em categorias diferentes. O adeus nunca é fácil.

Talvez eu não devesse ter voltado, ter vindo aqui hoje e competir com um cara de um nível tão alto como Frankie Edgar. O Dana disse que minha carreira acabou e eu tenho que concordar com ele neste ponto – sentenciou Penn, naquela que parece ser definitivamente sua última vez no octógono.

COREYCorey Anderson x Matt Van Buren

Matt Van Buren é, de longe, o camarada mais chato do TUF 19. Reconhecido mais pela arrogância que o afastou de todos os demais atletas do reality do que por suas ações, o atleta da Alliance MMA fez justamente o que não podia na final dos meio-pesado: não se garantiu. O gigante falou um monte, chegou a cravar que o inexperiente Corey Anderson só tinha o wrestling a seu favor, e rapidamente tomou um sal e tanto, como dizemos na minha terra. No fim das contas, prevaleceu a boa história de Anderson, que tinha poucos meses como profissional quando entrou na casa e treinou para esta decisão em sua cidade-natal sem uma grande estrutura – cenário que ele próprio comparou ao primeiro embate entre Rocky Balboa e Apollo Creed.

Pra todo mundo que disse que eu era só um wrestler, eu estou aqui: no UFC, com um nocaute no primeiro round, uma Harley Davidson e o título do The Ultimate Fighter –  disse um emocionado Corey a Jon Anik, ainda no octógono.

TRUCKEddie Gordon x Dhiego Lima 

Eddie Gordon já tinha superado um favoritaço nas semifinais do TUF 19, quando passou pelo irlandês Cathal Pendred em decisão bastante questionada. Desta vez, na final peso médio do reality show, o norte-americano venceu outro atleta que levava ampla vantagem na teoria: Dhiego Lima. O irmão mais novo do campeão do Bellator Douglas Lima, apesar de mais versátil que o rival, aceitou a trocação franca logo de cara e acabou encurralado na grade pelo “Caminhão”. Daí em diante, o apelido falou mais alto e o que se viu nos segundos seguintes foi um verdadeiro atropelamento, com o orgulhoso pai de quatro filhos faturando o título do programa.

O Dhiego é um cara muito duro, mas eu treinei no melhor camp do planeta. Eu tenho um campeão do mundo ali comigo todos os dias – salientou o companheiro de Chris Weidman na Serra-Longo.

LEWISDerrick Lewis x Guto Inocente 

Começando sua trajetória no UFC após diversos percalços com lesões, incluindo um episódio que ficou famoso com o “simpático” Alistair Overeem, Guto Inocente deixou uma coisa bem clara: seu lugar é mesmo nos meio-pesados. Diante de Derrick Lewis e sua silheuta de Cheick Kongo gordo, o brasileiro resistiu enquanto pode no jogo de pernas até que encurtou e chegou a primeira bomba. Já um pouco abalado, Guto não resistiu à segunda patada e o combate chegou ao fim após mais dois ou três golpes no ground and pound. Com a vitória, o brigador se empolgou um pouco além da conta e saiu pedindo o cinturão.

Eu estou olhando para o Cain, sabe? Eu tenho grandes companheiros de treino, então eu diria que meu objetivo vai ser sempre o Cain Velasquez. Eu treino pra isso – disparou Lewis, na modéstia, depois de fazer o tradicional sinal da cinta.

ROBERTRobert Drysdale x Keith Berish

Finalmente Robert Drysdale estreou no UFC, hein? A expectativa era grande, já que uma novela quase “JoeEllenbergiana” vinha adiando por algumas vezes o debute do norte-americano/brasileiro. E a primeira vez de Drysdale no octógono não poderia ter um desfecho mais óbvio: aula de jiu-jitsu e finalização no primeiro assalto, como todas as suas outras seis vitórias profissionais. Para Berish, a dor no joelho esquerdo vai ser a memória mais lancinante de sua primeira derrota na carreira.

Eu estou feliz de estar aqui (estreando no UFC). Eu venho trabalhando por esse dia desde criança. Pra mim é um sonho realizado, um privilégio. Eu estou muito feliz com a estreia”, comemorou o multicampeão da arte suave, que ainda aproveitou o microfone para agradecer o apoio materno.

E aí amigos, o que acharam de Adriano Martins com seu cruzado certeiro que derrubou o mexicano Juan Manuel Puig Carreon e a grande virada de Leandro Brodinho?

Abraços!

  • Leo Ferreira

    A base do BJ foi a coisa mais esquisita que já vi numa luta, mas se fosse só esquisita, tava ótimo, pq era algo inútil e sem chance de dar certo! Edgar dichavou o jogo de BJ e só por uma questão de respeito a lenda, a peleja não terminou no primeiro round pq The Answer não apertou um pouco mais o passo. Eu queria que ele ganhasse, tentei torcer, mas não deu, o massacre foi muito grande.

  • Leo Corrêa

    Não era o B J Penn lá… o cara ficou parado a luta inteira. #decepção.

Tags: