Pensando alto: a análise informal do UFC FN 40

Renato Rebelo | 11/04/2014 às 21:31

Quatro anos e um dia após o fiasco protagonizado por Anderson Silva e Demian Maia, o circo do UFC retornou à Abu Dhabi com card (bem) mais modesto.

Nada de BJ Penn, Frankie Edgar, Renzo Gracie, Matt Hughes, Alexander Gustafsson, Phil Davis, Mark Munõz e Rafael dos Anjos (constelação escalada em 2010), desta vez, os únicos top 10 em ação na Arena Ferrari foram Roy Nelson e Clay Guida. 

Listinhas à parte, vamos à minha leitura meia-bomba do show montado em torno de dois pesos-pesados notórios:

Roy Nelson vs. Antonio Rodrigo NogueiraRoy Nelson x Rodrigo Minotauro

Do UFC 81 pra cá, Minota me obrigou a assistir suas lutas da mesma forma que assisto Atividade Paranormal: pela visão periférica. Afinal, o histórico cardiovascular da minha família não é glamoroso e grandes sustos devem ser evitados. Mesmo de ladinho, pude notar, desde o início, a assustadora diferença de velocidade, reflexo e timing que separavam nosso querido veterano de um peso-pesado pouco conhecido por seus dotes atléticos (Fabrício Werdum, Daniel Cormier e Stipe Miocic que o digam). Ou seja, tudo levava a crer que era só questão de tempo (e pontaria) para a vaca ir pro brejo. Dito e feito. Assim que o apelo de Ricardo Arona foi esquecido (“Vim pra Abu Dhabi só para implorar ao Rodrigo que ele fique com a mão para cima” – disse à Tatame), “Big Country” encontrou o queixo do Robocop Baiano com seu tradicional swingão de direita e deu números finais à disputa. Duelo pouco competitivo que me obriga a escrever algo mais elaborado nos próximos dias…

Eu amo o Minotauro, ele é uma lenda, mas não quero vê-lo lutando novamente – sintetizou o ex-lutador e agora comentarista Kenny Florian.

CLAYClay Guida x Tatsuya Kawajiri

Espelho, espelho meu, existe alguém mais grudento do que eu? Para a tristeza do “Crusher”, a resposta do objeto mágico foi positiva. Agora, engana-se quem pensa que o outrora pragmático “Homem das Cavernas” apenas achatou a cara do japa no chão e controlou as ações por lá. Soltinho e agressivo no primeiro round, até knockdown plástico o bicho serelepe meteu! Interessante notar como, após 45 lutas profissionais, Guida está revigorado. Aos 32 anos, ele pode ser pedra no sapato de muita gente boa na categoria até 66kg – ainda mais se engolir a timidez e passar a ser mais vocal:

Tem um cara aí que o UFC anda protegendo chamado Conor McGregor. Não costumo intimar ninguém, mas se você quiser lutar com um homem de verdade, duende, o Homem das Cavernas está disponível. Se quiserem ver esse cara chorando, botam ele comigo por cinco rounds – mandou o produto da Jacksons MMA.

RYANRyan LaFlare x John Howard

Pra quem não se lembra, LaFlare é aquele caboclo que, há cinco meses, cimentou as costas de Santiago Ponzinibbio no chão. Hoje, foi a vez de “Doomsday” ter sua potência anulada pelo wrestlerzão faixa-roxa de jiu-jítsu. Pra ser justo, LaFlare até tentou a sorte em pé, com meia dúzia de chutes na linha de cintura (um, inclusive, quase deixou Howard monobola), mas a mão do negão entrou no segundo round e, a partir daí, o menu foi só feijão com arroz. Difícil se excitar com o estilo “fitchano” do Blackzilian, mas ainda mais difícil é pará-lo. Vale ficar de olho.

Não me senti 100% na luta. Minhas pernas estavam pesadas e eu dormi muito pouco desde que cheguei aqui – desculpou-se LaFlare.

Thales Leites vs. Trevor SmithThales Leites x Trevor Smith

O faixa-preta de Nova União é, sem dúvida nenhuma, um dos lutadores mais subestimados em atividade no MMA. Afinal, que outro ex-desafiante número um porta cartel exuberante (23v e 4d), está invicto desde outubro de 2010 e só encara transeuntes em “undercards”? Smith, vindo de três derrotas em cinco apresentações, não deu nem pro cheiro – e deitou voluntariamente logo no primeiro minuto de prosa. Nocautaço pra conta deste grappler com poder de fogo que, com alguma sorte, será testado de verdade na próxima rodada.

Estou trabalhando minha trocação há muito tempo. Só precisava acreditar mais em mim, nas minhas mãos. O que aconteceu hoje foi resultado do “camp” duro que fiz – disse o niteroiense.

Obs: os “gifs” são cortesias do “Zumbi Profeta” (@ZProphet_MMA).

  • Eduardo

    Roy Nelson é top 9 também!

    Adoraria ver o gordinho contra o Overeem.. boa luta na minha opinião.

    Minotauro x Frank Mir pra vencer e se aposentar.. e caso derrotado.. aposentado…

    Thales Leite prometendo muito novamente na divisão.

    Mais um texto muito bem escrito. Parabéns

    • Fabricio Alves

      O queixo do Overbomba iria ser partido ao meio hahahahahahaha

  • Diego Cavera

    Cara eu adoraria ver Roy Nelson vs Hunt, imagina as pedradas nos queixos dos doidos.

    • lmcosta

      Essa eu adoraria ver

    • Fabricio Alves

      Se essa luta acontecer, alguem vai ir pro cemitério.

  • Thiago Cruz

    Que jab mais lento e telegrafado do Minotauro, isso era tudo que o Nelson precisava pra encaixar sua mão antes que o gás acabasse. Minotauro deve aposentar, uma hora não da mais, ou por desgaste físico ou por não se adaptar ao modo como o MMA evolui.

  • Rodrigo OLiveira

    A patada de direita do Roy Nelson é tão previsível quanto dizer que o sol vai nascer amanhã. É a ÚNICA ameaça do gordinho, então pq não manter a porra da mão esquerda sempre alta colada ao rosto? Infelizmente Minotauro foi juvenil demais! Além de tudo o Nelson mais que telegrafa o golpe quando vai descer a lenha, só falta manda um email pro adversário avisando. Na hora da luta lembrei de Cigano x Hunt. O córner do Cigano ficou gritando o tempo todo para ele manter a mão direita alta pra evitar a esquerda do Hunt, aquela que quebrou a queixada do Struve, e ele obedeceu. É possível ver no vídeo da luta ele nos 3 round com a mão direita protegendo o queixo. Com Nelson é a mesma coisa. Se Clint Eastwood estivesse no córner do Minotauro ele teria dito: “se proteja o tempo todo, o tempo todo.”

    • Fabricio Alves

      O Roy Nelson mandou e-mail, fax, telefonou, mandou carta e mandou mensagem pelo whatsapp, e mesmo assim o Big Nog nao levanta aquela mão esquerda.

  • Filipe

    Nelson x Hunt pra já!

  • Thais

    O problema do Minotauro é a falta de humildade e cuidado com o adversário. Ele simplesmente subestima a capacidade e os pontos fortes do adversário, e vai pra cima possivelmente achando que ainda tem a mesma saúde e resistência dos áureos tempos do PRIDE. Exemplo são as suas três últimas derrotas. Contra o Frank Mir, poderia até ter nocauteado, mas levou pra baixo querendo finalizar e… Foi finalizado. Contra o Werdum, sabendo que a principal arma do Vai Cavalo é o jiu jitsu, novamente foi pra baixo e novamente foi finalizado. Contra o Roy Nelson, mais uma vez, mesmo sabendo que o balaço do gordinho é mortal, não levantou a guarda e o resultado foi mais uma derrota. É doído vê-lo caindo daquela forma, mas se ele persistir nesse erro, ou se aposenta, ou acumula mais derrotas em seu cartel. Quanto ao Roy Nelson, desde já ansiosamente esperando um Nelson x Hunt, promessa de lutão!

Tags: