Pensando alto: a análise informal do UFC FN 39

Renato Rebelo | 24/03/2014 às 03:07

Kenny Florian amarrou o UFC Fight Night 39 com a seguinte frase: “Nunca julgue o livro pela capa. Acabamos de testemunhar um dos melhores eventos de MMA do ano”

Sigo o voto do relator.

Com poucos figurões e muitos operários, o card potiguar agitou o domingão com cinco nocautes, três finalizações e três decisões (um empate).

Cortando o papo furado, vamos à minha leitura meia-bomba do filé mignon:

HENDODan Henderson x Mauricio Shogun

Nunca passou pela minha cabeça que, dois anos e quatro meses depois – ainda mais no calor de Natal-, Shogun e Henderson fossem render algo próximo do que renderam no UFC 139. Felizmente, meu ceticismo não se justificou e o lendário dueto produziu outro pau-pereira memorável. Mais veloz – até por ter 11 anos a menos na carcaça-, o curitibano bailou em pé nos 10 minutos iniciais. Foram dois knockdowns feios e a certidão de óbito só não foi assinada por capricho dos Deuses (e pela sagacidade de Herb Dean). A surra era tão sonora que, em certo ponto, passei até a me sentir mal pelo subjugado visitante…  Quando, subitamente, à la Ikki, a ave Fênix, Hendo voltou do mundo dos mortos para escrever outro belo capítulo em sua magnífica trajetória. Lição do dia: nunca, nunca mesmo vacile na medição de distância contra o indivíduo que porta urânio enriquecido no punho direito. A famosa “Bomba H” do banguela levou o nariz de Shogun do centro do rosto à bochecha, salvou sua carreira e ainda lhe rendeu 100 mil doletas extras (bônus por nocaute e luta da noite). Que casca-grossa!

Entrei paciente demais e deixei ele deter o controle da luta. No terceiro round, decidi acelerar mais o passo. De qualquer forma, sou muito fã do Shogun. Agradeço muito a ele por tirar de mim o que tenho de melhor. Ele é uma parte muito importante desse esporte – reconheceu Daniel, porta-bandeira da Team Quest.

CBC.B. Dollaway x Cezar Mutante

Aberto feito uma flor, o pupilo de Vitor Belfort se lançou ao mar como se não houvesse amanhã. Dollaway, mais contido e experimentado, entubou a primeira onda de ataques e, com precisão, infiltrou um despretensioso ganchinho de canhota no queixo do garotão. Lona. Agora, o “Doberman” que, pra mim, venceu o Tim Boetsch no UFC 166, passa a latir ainda mais alto em busca da tão sonhada vaguinha no top 10. Já o capoeirista da Blackzilians foi dirigido ao fim da fila – a exemplo de Daniel Sarafian– por este legítimo caçador de “Ultimate Fighters” brasileiros.

Eu adoro este lugar. Sempre que o UFC me convidar para lutar no Brasil, vou aceitar na hora – mandou CB.

EMPATENorman Parke x Leonardo Santos

Pensei que a colisão de grapplers campeões de reality shows (TUF Nations e TUF Brasil 1) nos ofereceria um banquete técnico – principalmente no tablado. Equivoquei-me. O raro resultado foi selado por 15 minutos de abraços fraternos contra a grade – e poucas trocas na curta distância. Na real, o britânico venceu dois rounds e perdeu um. O empate majoritário se deu porque 1- Ao tentar queda no R2, Parke agarrou descaradamente o short do carioca e teve um ponto confiscado e 2- Confiante na vitória, Leo tirou o pé do acelerador e abriu mão deliberadamente do R3. Ou seja, um 10 a 9 pra cada e um 9 a 9. Quero só chamar atenção pra força física superior de Parke – que negou facilmente a Leo o acesso ao seu feijão com arroz (o jiu-jítsu)- e para a trocação mais robusta do brasileiro. Enfim, ficou elas por elas.

Sim, esse juiz é horrível! É uma droga quando um cara faz uma idiotice como tirar um ponto por segurar no short – descarregou Dana White.

MALDONADOFabio Maldonado x Gian Villante

No primeiro round, achei que o atleticismo pudesse fazer a balança pender para o lado do wrestler superior. Acontece que a força empregada no início gerou uma pane seca logo em seguida. A partir daí, Villante se travestiu de saco de bater e levou uma das maiores piabas de 2014. Não deixem as sobrinhas laterais lhes enganarem. O Caipira de Aço tem fôlego pra dias e se fez valer de boxe vistoso e volumoso para cravar 132 caroçadas no corpanzil do companheiro de treinos de Chris Weidman (terceira melhor marca da história da divisão!). Brilhante performance (que não consigo desassociar à cabulosidade de Glover Teixeira).

No primeiro round, parecia que eu nem estava lutando. Tomei dois quedões do Villante e senti a força dele. No chão, ele mais amarrou do que tentou me finalizar ou nocautear – mas acabou me sangrando. E é aí que eu funciono, que nem mulher de malandro – declarou o sempre descontraído Balboa do interior.

JASONRony Jason x Steven Siler

Na transmissão com áudio original, Brian Stann explanava o calcanhar de Aquiles de “Super Siler” (apostar demais no queixo duro para absorver golpes) no exato momento em que Jason arremessou um cruzadão de direita. O potente golpe dinamitou instantaneamente a principal defesa do americano – que caiu com os olhos abertos e começou a pedalar para afastar o cearense. Exatamente por isso, fica difícil defender a interrupção do árbitro Wernei Cardos (pego pra Cristo por Dana no Twitter). Foi basicamente um knockdown! Enfim, Jason, que não tem nada a ver com o leriado, mostrou estar recuperado física e emocionalmente do doloroso nocaute aplicado por Jeremy Stephens no Fight Night 32. Pra frente e avante!

Dessa vez, trouxe a chave e não vou precisar quebrar a porta – brincou o vencedor – lembrando que cortou o braço socando uma porta após a última derrota.

Abraços.

  • Rodrigo Carvalho

    Vi apenas a luta final, e mesmo torcendo pro vovô, senti pena do Shogun por perder desse jeito. Ele estava muito bem, apesar de cansado, não era a desgraça de lutas anteriores (e nesses 10, primeiros, minutos ele trabalhou bastante. Mas foi bonito o cruzadão (ou seria um over-hand mesmo?) do Hendo.

    Só achei uma coisa, e gostaria que alguém me respondesse com sinceridade, Shogun não lutou com estratégia? Vi inúmeras pessoas falando isso, e realmente não concordo.

    • Fernando Chaves

      Rodrigo, na minha singela opinião, eu acho q faltou ao Shogun ir para o abafa no 2º round. O Banguela, como ele mesmo disse, estava muito cansado e atordoado no 2º round. Acontece que o shogun após acertar alguns bons golpes e deixá-lo tonto, foi pra guarda do americano e não conseguiu ser contundente! Se tivesse permanecido em pé e com o americano tonto acho q talvez as coisas teriam sido diferentes! Mas, como “SE” não existe!

  • Malk Suruhito

    Renatão, você quer dizer “uma das maiores piabas de 2014” sobre o Villante, não?

    • Renato Rebelo

      Exatamente! hehe

  • Fernando Chaves

    Renato, e o que você achou da instrução do corner pro Leo Santos, do 2 para o 3 round?? Achei um tanto quanto equivocada….

    • Renato Rebelo

      Acho que a instrução pode, muito bem, ter custado a vitória a ele…

  • Eduardo MMA

    Resultado da luta final só enaltece a grande performance do Vitor Belfort. Shogun acertou diversos golpes fortes no Hendo que apesar de terem sido muito eficazes, não foram tão certeiros quanto aos do Vitinho.
    Com certeza não foi a TRT que fez o Fenomeno vencer aquela luta, mas sim toda sua qualidade técnica, força e precisão.
    Vamos parar com essa bobagem de desmerecer o cara só porque ele faz uso de algum tratamento.
    O Hendo fez uso do TRT pra essa luta? (acredito que não né..)

    • Vitor Camilo

      Fez sim o uso mas nem parecia, estava muito desgastado, curti muito a luta, só não gostei muito do fim dela kkkkk.

  • Diego Jaqueira

    Ikkiiiiiiii!

  • David Carvalho Crosariol

    Adoro o Malfonado depois da cada luta. É um dos poucos lutadores do UFC que realmente fala de como foi o combatem e não fica preocupado em mandar beijo pra cá e pra lá.

  • Leonardo Paz

    nao estou querendo dizer q nao foi um baita nocaute, mas tive a impressao q teve 2 ou 3golpes na nuca muito fortes, tenho ate o achismo, q foi ali q o shogun foi nocauteado, mesmo entendendo q aquele gancho eh d derrubar boi!!!!

  • Rodrigo OLiveira

    Só pra ser chato: Dan Henderson lutou sob tratamento de TRT e nocauteou Shogun. Não vi um cristão sequer nas redes sociais citar esse fato. Já pensaram se fosse o Belfort no lugar do Hendo? Teríamos dias e mais dias de discussão. Não vi a entrevista pós luta mas aposto que esse assunto sequer foi tocado, e se foi, deve ter sido de forma bem suave, mas nunca creditando ao TRT a bela performance do velhote. Muita injustiça com o Belfa.

    • David Carvalho Crosariol

      O Henderson tem carisma, já o Belfort é chato!!

      Belfort é tão chato que a antipatia sobra até para seu pupilo, o Mutante. (que aliás é um ótimo lutador). O Dollaway sentiu a situação e aproveitou o calor pós nocaute e cogitou uma “amizade” entre fãs brazucas e ele, como se tivéssemos lembrado que ele já lutou por aqui..rsrsrs.

      Tem tanto lutador ai que usava TRT, mas só o pastor compra briga com imprensa quando é tocado no assunto.

  • Francis Couto Falbo

    O Shogum tem q desçer d categoria já, agora! Sem choro nem vela.
    Ai quem sabe um dia dispute o cinturão de novo! Que legal seria um Shogum x Anderson Siva em Curitiba? Parece utopia de minha parte? Acho q não pois devido ao cenário atual do UfC, eu te diria =’Porque Não’? Parabéns pelo post sempre mto bons.

  • Leo Ferreira

    Esse evento vai ficar pra história, o melhor disparado de 2014. Até Pepey (pasmem!) nocauteou…

  • Tiago Paiva

    – Pepey nocauteando
    – Formiga vencendo (e bem)
    – Marreta se salvando
    – Shogun tomando marteladas
    – Mutante brutalmente nocauteado
    – Dedé Pederneiras passando instruções erradas

    Que dia louco, hahaha!

  • Jonatas Maciel da Silva

    Vai rolar podcast dessa marretada do Henderson???

    • Renato Rebelo

      Claro, fera. Amanhã, às 17h tá aqui no site

  • Luan

    Esse juiz caseiro Wernei aí é o é uma piada. Errou 3 vezes: cabeçada do Formiga que foi determinante pra luta, interrupção bizarra na luta do Jason e tirar 1 ponto do gringo sem nenhum aviso e quando o Leo Santos também estava segurando na grade.

Tags: