Vitor Belfort: defendendo o indefensável?

Renato Rebelo | 08/03/2014 às 06:57

Por que quando o assunto TRT vem à tona é o rosto de Vitor Belfort que estampa absolutamente todas as manchetes e não o de Shane Roller, Frank Mir, Dan Henderson, Todd Duffee, Quinton Jackson, Dennis Hallman, Ben Rothwell, Nate Marquardt ou Chael Sonnen?

Na opinião deste humilde jornaleiro, o “Fenômeno” foi promovido a bode expiatório pela junção de quatro fatores:

1- Sua personalidade não desce na goela de muita gente
2- Ele é o atleta mais bem sucedido a recorrer à terapia de reposição de testosterona
3- Vitor já foi pego em exame antidoping (2006)
4- Entre os supracitados, Vitor é que mais se irrita com o assunto

Peguem a treta com John Morgan, por exemplo.

Pós-UFC on FX 8, ao fazer seu papel de intermediário entre fãs e lutadores, o repórter do site MMA Junkie levou um coice condenável.

Alguém pode bater nesse cara pra mim?

Ou seja, ao invés de abordar a polêmica de forma justa e desassombrada, o “Jovem Dinossauro” forneceu ainda mais munição ao pelotão de fuzilamento.

Acontece que nem atitudes autodestrutivas como esta arranharam tanto a imagem de Belfort quanto um sutil fogo amigo.

Um dia após o banimento do TRT pela Comissão Atlética de Nevada, o Ultimate anunciou Lyoto Machida x Chris Weidman com naturalidade impressionante – sem nenhuma explicação sobre a ausência de Vitor no UFC 173.

Em outras palavras, o bicho foi abandonado à própria sorte para lidar com pesada execração pública – e, de bate-pronto, não se defendeu com eficácia:

Nunca desisti de lutar no UFC 173 e nunca falei isso. Portanto, toda informação publicada em qualquer veículo de comunicação anunciando isso não é verdadeira. O que anunciei foi que estarei “desistindo do TRT” e não “desistindo da luta” para continuar o meu sonho de lutar. O UFC decidiu colocar outro oponente em meu lugar pelo fato de eu não ter tempo de me adequar às novas regras da NSAC.

Como aqui no Sexto Round esmiuçamos antes de apontar dedos, vamos tentar entender alguns detalhes.

Primeiro, Belfa sofre de hipogonadismo (baixa produção de testosterona pelos testículos).

Isso significa que as injeções não lhe proporcionam apenas benesses competitivas (recuperação física, resistência, força, massa muscular, etc), mas também uma vida sexual ativa, por exemplo.

Estamos falando de um tratamento “full time” e não ocasional.

Com o banimento imediato da prática no MMA, caso Vitor fosse testado nas próximas semanas, o hormônio sintético ainda estaria presente em seu sistema e ele seria suspenso por doping.

Esse motivo, por si só, já deveria levar uma empresa séria ao plano B.

No final do dia, temos que promover uma luta no dia 24 de maio. Chris vai defender o título e vocês sabem como negócios funcionam: temos que fazer comerciais com dois meses de antecedência. Temos que promover a luta e o Vitor tem que se adequar às novas regras da NSAC. Mas não sabemos quão longo será esse processo para ele conseguir uma licença novamente. Não podemos deixar a companhia no limbo – explicou, com dias de atraso, Lorenzo Fertitta ao site Yahoo Sports.

Mesmo que Vitor tivesse recebido informações privilegiadas sobre a proibição (e seu organismo já estivesse limpo), simplesmente não haveria tempo hábil para estimular sua produção de testosterona naturalmente até o UFC 173.

Papo reto: alguém em sã consciência encararia Chris Weidman pelo cinturão em condições físicas impróprias (níveis hormonais baixíssimos)?

Todos os lutadores que tiveram retirada a permissão para lutar fazendo uso do TRT e decidirem competir com níveis baixíssimos de testosterona no corpo não conseguirão render no nível a que estavam acostumados. Todos os que param de se submeter ao tratamento precisam receber doses de testosterona sintética apenas para se manterem normais. Sem a terapia, seus níveis de testosterona irão praticamente desaparecer. Os músculos ficarão muito mais fracos e flácidos, e os atletas engordarão bastante. Eles ficarão com comportamento depressivo e sentirão uma fadiga constante. Será horrível, e eu me sinto mal por eles – atestou o endocrinologista Neil Goodman, presidente da Associação Americana de Endocrinologia Clínica ao site Bleacher Report.

Sem saída, Vitor agora se agarrada ao diagnostico do seu médico pessoal (não identificado).

O fulano acredita que um método alternativo dará resultado em cerca de três meses:

Em nome da paixão dele pelo esporte e dedicação que tem pelos fãs, meu paciente tomou a decisão de interromper seu tratamento médico. Vamos precisar de 90 dias para adaptar o tratamento do Vitor e a sua nutrição para que ele aguente a rotina de treinos extremamente dura – que faz de Vitor um dos maiores lutadores da história do UFC e um dos atletas mais dedicados com quem já tive a honra de trabalhar.

Seria este o fim daquele assassino ágil e potente que bagunçou a categoria até 84kg em 2013?

A melhor maneira de descrever a vida sem a reposição de testosterona é terrível, completamente. É um medicamento do qual eu preciso no dia a dia para ter uma vida normal. Fazendo o TRT, minha vida é melhor, meu comportamento é melhor. Tenho mais energia, preciso dormir menos. Me faz sentir melhor em diversos níveis. Me faz um melhor marido, vizinho e até dono do meu cachorro – reforçou Chael Sonnen.

Certamente, Vitor terá que lidar com a perda de performance em algum grau.

No entanto, estamos falando de uma sumidade técnica com mais recursos que o Fluminense no STJD – cujo maior handicap em quase 20 anos de carreira está acima do pescoço.

Então, a pergunta de um milhão de dólares pra mim é: poderia a ausência dessa importante muleta (o TRT) combalir o estado de espírito do ex-campeão dos meio-pesados?

Ou: como se portará psicologicamente o veterano diante da nova realidade?

Só o tempo dirá.

Abraços.

  • Lucas Pereira Carrano

    Onde assino?

    A única coisa que acrescentaria na ala dos contrapontos, além do exposto acima, é que a baixa produção hormonal também pode (atenção, eu disse pode) ser fruto do uso de esteroides. Essa é mais uma dúvida que pode pairar no imaginário popular e jogar contra a galera que faz uso do TRT no que diz respeito à imagem pública.

    No mais, como de costume, brilhante!

    • Renato Rebelo

      Perfeito, Lucão. Como o assunto é muito abrangente (e batido), deixei um pouco a parte didática de lado nesse texto. Mas ela é de suma importância – como você bem ressaltou. Escrevi um textinho no passado falando mais sobre essas causas (http://sextoround.com.br/5982-vitor-belfort-e-trt-vamos-debater-o-assunto). Só ressalto que estudos ligando golpes traumáticos e corte de peso ao hipogonadismo se mostraram inconclusivos até hoje. Portanto, não há como esconder que a causa número um deste mal no meio do MMA é o abuso de substâncias danosas ao sistema endocrinológico. Claro, há exceções – como Antônio Pezão, que teve um tumor que lhe causou acromegalia (gigantismo)….

      • Lucas Pereira Carrano

        Perfeito.

        Inclusive tentei contato, sem sucesso, com o Pezão quando pintou essa polêmica toda. Acho que por ser um cara que indiscutivelmente tem carência hormonal congênita, deveria ser personagem quase que indispensável nas discussões após o banimento das isenções para TRT. Mas, principalmente pelos fatores que você citou, o Belfort acabou sendo o centro das atenções.

        • Yuri

          Concordo que a acromegalia pode causar o hipogonadismo, mas não são todos os casos. Acho precipitado isentar o Pezão em detrimento dos outros, visto que ele também já foi pego no anti doping com traços de boldenona.

        • zagolee

          O caso do Pezão é mais inconclusivo até agora! Ninguém fala nada e isso é uma situação que pode se complicar inclusive para o médico.

    • zagolee

      Em uso à longo prazo sim, perfeito…

  • Leonardo Paz

    entendo q a luta seria com o cris, mas uma coisa nao sai da minha cabeça, o sonnen vai lutar na mesma epoca e nao desistiu da luta, so do vitor desistir da luta mesmo tendo os motivos, so levanta ainda mais questionamento sobre 2013!! uma pena !!!

    • Renato Rebelo

      Faz muito sentido o seu questionamento, Leonardo. Mas, entre os dois casos, há uma grande diferença entre ser testado pela NSAC e pela comissão atlética brasileira – até pq o Vitor já caiu em exame antidoping lá e pode ter que se submeter a exames sanguínios mais elaborados. Fizeram isso com o Josh Barnett na luta contra o Travis Browne.

    • Diego Jaqueira

      Interessante colocação!

    • Pedro Duarte

      Seguindo o que foi divulgado pelas comissões atléticas, o Sonnen deve lutar sem o tratamento. Temos que lembrar que, teóricamente, o americano lutará contra um adversário muito menos qualificado e a luta obviamente não é uma disputa de cinturão.

      • zagolee

        Exato.

      • Dan Mendes

        Antes dos acontecidos, Belfort disse que lutaria com ou sem TRT pelo cinturão.

        • zagolee

          Mas ele é um atleta e pode mudar de opinião amigo… Digo mais, uma saída estratégica pro Bellator iria fazer o UFC repensar seu modo de agir com certeza…

          • Dan Mendes

            Risos

          • Malk Suruhito

            Se ele for para o Bellator… a Comissão de Nevada que foi a que proibiu o TRT continuaria com a mesma opinião, e as demais também que seguiram Nevada. Se ele quiser lutar sem controle de dopagem, só se for no One FC que é da Malásia, ou em algum evento da M-1 Global (Russo). Talvez o Jungle Fight…

    • Renato Rebelo

      Seu questionamento faz muito sentido, Leo. Só destaco uma grande diferença entre os casos: um será testado pela Comissão Atlética Brasileiro e o outro pela NSAC. O Vitor já foi pego por doping em Las Vegas e, provavelmente, teria que passar por exame sanguínio rigoroso para conseguir novamente a licença – mesmo caso de Josh Barnett, testado até dizer chega contra o Travis Browne. Sonnen aqui fará aquele exame maroto de urina no dia da luta e olhe lá. E outra, as lutas tem pesos muito diferentes e, do jeito que o Sonnen é meio maluco, não me surpreenderia dela dar as caras em péssimo estado físico.

      • Dan Mendes

        Licença para fazer TRT o Vitor não conseguiria de jeito nenhum mesmo antes da decisão de 27/02. Mas acho que você esta falando de licença para lutar né?
        .
        Sonnen não tem nada de maluco. E já disse que pensa em parar uma vez que não poderá fazer TRT.

      • Gabriel Castelani

        A luta agora vai ser em Nevada, uma otima noticia! No brasil seria muito mais dificil pro Wand, justamente pelo comentario acima. Nao ficarei supreso se o CHAEL ganhar e o resultado for pra NC, porque certamente será pego no antidoing, daí seria dificil ele seguir lutando. Vamos esperar pra ver a rigorosidade da comissao, se haverá algum exame (surpresa) previo (eficaz). Renato, voce tem a oportunidade, ja que que vive no meio das feras, de prever o futuro desse atleta, sem falar do furo jornalistico, basta acompanhar os treinos do chael, conversar com as pessoas proximas a ele, seguramente ele virá em ritimo 6Volts na sua preparacao, pode se lesionar, pode desisitir, existe um leque de situacoes. Eu senti que, pelo comentario do Sonnen, sem TRT ele nao tem condicoes nem de ser um homen normal, que dirá subir no octogono da UFC. Talvez essa luta nunca aconteca, talvez ele jamais subirá outra vez no octogno! Acho que vem um futuro sombrio para esse cara, a nivel esportivo claro. Querendo ou nao, o cara é astuto para os negocios (menos como corretor imobiliario hahahaha) e como comentarista é um showman, se nao fizer cagadas acho que tem cadeira cativa no UFC.

    • Dan Mendes

      Tenho convicção que o que tirou o Belfort da luta foi o Exame anti doping surpresa.

      • zagolee

        A medida de banir o TRT agora é que pegou Belfort de supresa… kkk!

  • Covero

    Bom, sou farmacêutico e estudo um bocado sobre drogas, vou
    esclarecer alguns pontos pra quem não entende muito como funciona o uso dos
    esteróides anabolisantes androgênicos com atletas.

    A testosterona é praticamente o hormônio de maior
    importância na saúde do ser humano. Ela é responsável por manter a aparência
    mais jóvem, maior vigor, maior vitalidade, por fazer manutenção de massa
    muscular (recuperação/ganho), reforçar o comportamento viríl, acelerar a
    recuperação de processos inflamatórios, entre diversos outros efeitos.

    Sem a testosterona, o indivíduo fica apático, mais tímido,
    medroso, mais sensível, etc.

    O Belfort diz sofrer de hipogonadismo. Não conheço o
    histórico médico dele pra fazer qualquer afirmação, mas vou colocar uma
    situação que é muito comum em atletas que começaram a fazer uso de drogas há
    mais de 10 anos.

    Praticamente todos os hormônios do nosso corpo são inibidos
    via feedback negativo. Isso significa que o corpo produz, e quando identifica
    os hormônios circulando, ele cessa a produção. Quando os níveis de hormônios
    circulantes caem, volta-se o estímulo para a produção.

    Quando se administra uma testosterona exógena, por exemplo,
    eu corto a sinalização endógena para a produção de testosterona. Significa que
    meu corpo para de sinalizar para que minhas gônadas produzam a testosterona,
    afinal, já existe testosterona (muita) circulando, portanto não há necessidade
    do corpo produzir mais. (http://img343.imageshack.us/img343/1974/hpt8kj.jpg)

    Administrando a testosterona exógena, o eixo hpt é fechado,
    não existe produção endógena. Quando a testosterona exógena é retirada, em
    algum tempo a testosterona circulante vai cair abaixo dos níveis fisiológicos
    naturais, e dessa maneira o corpo entende que precisa produzir mais, e então
    ele começa a sinalizar. Essa recuperação pode levar semanas ou meses.

    Os atletas mais antigos faziam os chamados ciclos. Então
    utilizavam drogas por um período (fechando o eixo hpt) e depois cessando o uso
    das drogas (abrindo o eixo hpt). Mas repararam que com o tempo a produção
    endógena não voltava a níveis ideais. Cada vez que o eixo hpt era fechado e
    aberto novamente, a produção voltava menor do que antes. Isso fez com que os
    ciclos se tornassem cada vez mais recorrentes. E como conseqüência a produção
    endógena ia caindo cada vez mais. Levou muito tempo até que os atletas se
    dessem conta que fechar e abrir o ciclo tantas vezes fazia que a produção
    endógena fosse cada vez menor. Afinal, os comitês de ética não permitem estudos
    com dosagens elevadas e, por essa razão não existem muitos estudos a cerca do
    uso de drogas para esse fim.

    O caso do Belfort se enquadra perfeitamente nessa ocasião.
    Ele fazia o uso de drogas no passado, mas acabou abusando e a produção endógena
    foi prejudicada. (Quem não reparou a diferença do Overeem quando usava drogas e
    quando foi obrigado a parar de usar pra lutar? Até o jeito dele lutar estava
    diferente, mais apático, menos agressivo).

    Com a falta do estímulo de produção endógena, é natural que
    as gônadas atrofiem, afinal, elas não precisam trabalhar.

    Ao longo dos anos os atletas se deram conta que era melhor
    fazer um uso contínuo da droga, fechando o eixo hpt uma única vez e não
    reabrindo. Dessa maneira, se um dia pararem de usar, a produção endógena ainda
    pode voltar a bons níveis fisiológicos, pois só fecharam e reabriram o eixo uma
    única vez. Com isso surgiu o chamado Blast and Cruise entre os fisiculturistas.
    Que é o uso contínuo de testosterona (Cruise) e de tempos em tempos faz-se a
    utilização de outras drogas (Blast), como um ciclo dentro do próprio ciclo.

    Já para os atletas de performance virou o chamado Terapita
    de Reposição de Testosterona (TRT). O princípio é semelhante ao Blast and
    Cruise, o atleta usa testosterona exógena continuamente, mas não faz uso de
    outras drogas (supõe-se, já que não apareceu no anti dopping, mas os exames de
    anti dopping é outra conversa).

    É por isso que o Belfort – provavelmente – nunca vai conseguir ser o atleta que vêm sendo nos
    últimos tempos sem o uso da testosterona (o mesmo serve pro Overeem). A
    agressividade que ele apresenta no octógono é fruto da testosterona, sem falar
    na condição física que voltamos ao exemplo do Overeem.

    Espero ter esclarecido um pouco pra quem não é da área das
    biológicas.

    TSUJIMARA,
    Akira – The Relationship between Testosterona Deficiency and Men’s Health,
    2013.

    ATAN, Ali –
    Serum Testosterone Level, Testosterone Replacement Treatment, and Prostate
    Cancer, 2013.

    CELIK,
    Orcun – Testosterone Replacement Therapy: Should It Be Performed in Erectile
    Dysfunction?, 2013.

    OSTERBERG,
    E. Charles – Risks of testosterone replacement therapy in men, 2014.

    • Renato Rebelo

      Muitíssimo obrigado pelo complemento técnico, “Covero”!

    • zagolee

      Ronaldo disse sofrer com o hipogonadismo e não conseguia mais emagrecer, mas aceitou participar do medida certa e ganhar 1 milhão… No final ele emagreceu!

      • Covero

        O caso do Ronaldo era hipotireoidismo, não?
        Hipotireoidismo é um mal funcionamento da tireoide em produzir os hormônios tireoidianos. A diferença é que pra tratar o tireoidismo, os hormônios são vendidos na farmácia e muitas vezes é possível comprar até sem receita. Administrando o hormônio (T4) o metabolismo volta ao estado dito “normal”, dessa maneira ocorre perda de peso. Mas no caso do Ronaldo pra mim, foi claramente problema de dieta.
        Ele perdeu peso, mas isso envolve inúmeros fatores.
        http://www.endocrino.org.br/tireoide/

        • zagolee

          Caramba Covero, acho que confundi então… Bom, se for hipertireoidismo você sabe muito bem que ele não estaria gordo… kkk! De qualquer forma acho que as vezes o atleta é orientado a dar alguma resposta pra não ficar mal com o público, ainda acho que deveria dizer apenas a verdade e encerrar o assunto! (Agora ele aposentou e ponto final!)

  • Heitor

    Se o VB for cara que acho que é, ele vai superar, ja superou coisa pior, só não sei se conseguira ser campeão, pq isso depende de muitos outros fatores, mas que ele vai treinar feito louco e focar ainda mais, isso eu acredito, mesmo com o corpo sofrendo os níveis abaixo do normal de testosterona, e não questiono o ano de 2013, ele não lutava com níveis acima dos seus oponentes, então, ele destruiu, foi o melhor da categoria no ano passado.

  • Diego Jaqueira

    Quanto ao Vitor ser o rosto do TRT é compreensível, uma vez que desses citados junto com o Henderson são os 2 mais bem sucedidos, e ainda por cima tem todo o mkt em cima do retorno dele ao caminho das vitórias avassaladoras depois da derrota pro AS. Imagino também o psicológico do Belfort como vai estar, até por que isso nunca foi o forte dele mesmo.

  • Malk Suruhito

    Como já disseram em outro lugar “O Vitor com TRT já é chato, imagina sem o TRT e depressivo?”

  • Danyel P Lorenzo

    Como de costume, antes de qualquer comentário, PARABÉNS Renato e equipe, mais uma vez SHOW !!!

    Lembrando q nos EUA as leis são feitas por estados e as comissões foram criadas para sancionar os esportes em seu estado. Se o Chael quiser lutar em Massachusetts por exemplo, talvez ele consiga a liberação, onde já conseguiu na luta contra o Shogun. Obviamente se ele sonha em disputar o cinturão fatídicamente as lutas acontecem em Las Vegas onde a NSCA baniu o TRT. Fato q forçou o Vitor interromper o tratamento, após ter sido cortado pelo UFC, já que tem sua vaga garantida no titleshot independente do vencedor entre Weidman vs Lyoto. Porém por tendência as comissões vem uma a uma banindo o tratamento em seus respectivos estados. Ainda não sabemos qual era o taxa hormonal utilizada pelo Vitor em seu tratamento, sendo que o exame anti doping surpresa feito antes do anúncio do banimento dificilmente será divulgado, o limite hoje são de 200 a 800 nanogramas por decilitro de sangue. Nos encontros que tive com o Vitor, sempre o admirei como atleta e como lutador, o tratamento na minha opinião estava dentro das regras, portanto não compartilho da opinião de trapaça. Mas agora é hora de entender como seu corpo funciona sem o tratamento e só assim traçar uma estratégia daqui p frente. E para nós, só nos resta aguardar as cenas dos próximos capítulos.

    • zagolee

      Amigo Danyel, pergunte ao Vitor se ele tem documentado os protocolos de cada Comissão… Poderíamos elaborar um estudo sobre isso ou até uma defesa com embasamento científico!

      Se existem regras e existe transparência acho que a coisa toda muda…

      Algo me diz que os contratos possam conter restrições… Sei lá!

  • Francis Couto Falbo

    Pior q talvez o vitor naum volte mais. acho q ele vai c aposentar……

    • zagolee

      Não vai se aposentar ainda não!

      Vai bater em muita gente e vai quebrar paradigmas… kkk!

  • zagolee

    1. Banimento do TRT justo nesta luta? Claro que é um protecionismo para o queridinho campeão!

    2. Se o UFC quisesse mesmo que esta luta acontecesse ele o faria em outro lugar.

    3. Nunca foi divulgado quantos decigramas ou quais eram os protocolos médicos para o uso de hormônios… Eu não encontrei no site da Comissão de Nevada e lembro a todos os amigos que o UFC não permite a participação concomitante da WADA que é a maior agência reguladora do controle antidopagem do mundo… (Lembrem-se disso sempre!)

    4. Já tinha sido anunciada a luta do Vitor com Weidman, pressupõe-se que a liberação ao menos para esta luta fosse acontecer… Lex Luthor disse que conseguiria a liberação! (Conversa pra boi dormir né!)

    5. Por questões éticas eu sou favoravél sim ao banimento (mundial de preferência), mas tinha que acontecer agora?

    6. Pela fantástica apresentação do Vitor em 2013 e pela raiva que estou sentindo do Weidman, juro que estava torcendo pro Vitor encarar esta de qualquer jeito e vencer… Se a Comissão liberasse confio plenamente que Vitor poderia vencer mesmo sem TRT… (Um bom ajuste no treinamento com muito descanso e estratégia ele poderia explodir como em todas outras lutas.)

    7. Posso compreender o comentário do mestre Lucas, mas só há dois dias do ano que nada pode ser feito. Um se chama ontem e o outro se chama amanhã, portanto hoje é o dia certo para vencer! (feat Dalai Lama)

Tags: , ,