Pensando alto: a análise informal do UFC 170

Renato Rebelo | 23/02/2014 às 08:41

Mesmo desfalcado de Rafael dos Anjos x Rustam Khabilov, Daniel Cormier x Rashad Evans e Raphael Assunção x Francisco Rivera, o UFC 170, com cinco nocautes em 11 lutas, até que divertiu.

Se bem que, para nós, castigados recentemente pelos estorvantes UFC 169 e UFC Fight Night 36, qualquer acém amaciado com mamão passa tranquilo por picanha uruguaia.

Bom, cortando o papo furado, vamos à minha leitura meia-bomba do card principal:

RONDARonda Rousey x Sara McMann

A Colecionadora de Braços continua provando que desabrochou para o MMA. Contra Miesha Tate, já rolou quadril solto e guarda ofensiva. Hoje, adicionamos ao arsenal da judoca estratégia fina (wrestlers odeiam andar para trás) e muay thaizinho bem bacana a partir do clinch – fazendo valer a diferença de altura (1,69 x 1,64m) para dominar a nuca de McMann. A “pièce de résistance” veio em forma de joelhaço no figo e levou a wrestler olímpica à posição fetal ainda no primeiro round. Infelizmente, Herb Dean, que certamente faz aniversário no final de fevereiro (a julgar pelo inferno astral que atravessa), encerrou outro evento sob vaias. Felizmente, a exemplo de Urijah Faber na edição 169, McMann foi pura classe e não armou barraco pela paralização (ligeiramente precoce na minha opinião):

Assim que ouvi a voz do juiz, tentei levantar o mais rápido que pude. Não vou culpá-lo por algo que eu deveria ter controlado melhor. De repente, era para eu ter levantado mais rápido – disse Sara.

CORMIERDaniel Cormier x Patrick Cummins

Da série “quem planta vento colhe tempestade”, a estratégia de “Durkin” (revelar detalhes embaraçosos sobre o passado de Cormier) acabou lhe mordendo no traseiro. Mesmo sabendo que, com apenas 10 dias de preparo, suas chances de bater o campeão do Strikeforce World GP eram mais enxutas que modelo africana, Cummins, com o seu “trash talk”, ainda adicionou raiva a cada soco de DC – que, no clinch, o esculhambou. Infelizmente, a luta-embuste de pouco mais de um minuto não nos diz muito. Seguimos sem conhecer o real potencial de um e sem saber onde o outro está inserido na nova categoria. Valeu só pelas divertidas provocações no Primetime.

Para falar besteira, você tem que se garantir. Tinha que ser dessa forma. Essa luta não podia ir para a decisão. Na verdade, estou até puto porque ele me acertou dois socos. – desabafou o vencedor.

RORYRory MacDonald x Demian Maia

Já que Demian se reassumiu como grappler em tempo integral, o CDF “Ares”, ligado na fita, entrou baixinho (com joelhos arqueados), pronto para “sprawlar”. Mas a tenacidade do paulista gritou e Rory passou o primeiro round envolto pela teia da aranha. Vale notar que, mesmo montado, o garotão canadense, frio como um iceberg, manteve a compostura e não expos o pescoço, cedeu as costas ou esticou os braços para dar o “upa”. Rory sobreviveu fechadinho – como deve ser contra um às no solo. Do segundo round em diante, o motivo por trás do meu ceticismo na análise pré-luta veio à tona. Rory defendeu outras 22 tentativas de quedas e, com sua envergadura superior, cravou 75 golpes significantes no corpanzil do rival – que, extenuado pela isometria inicial, mal conseguiu se defender. Segunda derrota consecutiva na conta do veterano de 36 anos que, de consolo, levou pra casa 50 mil presidentes mortos pela luta da noite.

Fiquei muito feliz com minha performance hoje. Me senti bem, como se o resultado do meu treinamento tivesse sido mostrado. No primeiro round, fiquei relaxado, sabia que não podia me abrir contra alguém do calibre do Demian. Ele é muito duro. Acertei golpes pesados e ele se manteve de pé – sintetizou Rory.

PYLEMike Pyle x TJ Waldburger

E não é que, com três oitão na carteira de identidade, o Areia Movediça ainda nos impressiona? Mais perdido que surdo em bingo, TJ, grappler 13 anos mais jovem, simplesmente não teve nada a oferecer ao homem do mullet loiro. Além de apanhar bastante em pé, o bicho foi manuseado no chão, montado e nocauteado. Com essa, Pyle deixa no passado a derrota para Matt Brown e alcança a décima vitória (em 13 lutas) como empregado do Ultimate. Será que cabe um último tiro rumo ao cinturão antes das cortinas se fecharem?

Alguns dos meus últimos golpes não entraram limpos. Quando alguns socos sólidos entraram e a ação dele (TJ) parou, o Herb Dean estava logo ali para parar a luta – disse Pyle, que absolveu o juizão de ter demorado para parar a luta.

RAPHARaphael Assunção x Pedro Munhoz

Copo meio cheio: Raphael dominou, tanto em pé quanto no chão, um faixa-preta de muay thai e jiu-jítsu invicto em 10 lutas de MMA e campeão do RFA (evento considerado médio). Copo meio vazio: contra estreante, Raphael foi burocrático e fez apenas o necessário para espremer a decisão dos jurados. Infelizmente, pra quem ainda voa abaixo do radar da maioria dos fãs, o feito dessa noite pode não ser bastar para garantir compromisso com Renan Barão. Espero muito estar errado por que, com seis vitórias consecutivas, Rapha detém a segunda maior série invicta da categoria (atrás apenas do próprio campeão). O lance de urinar na maçaneta do Fertitta ainda tá de pé, hein…

Acho que, pela minha consistência e meu currículo, estou na posição para disputar o cinturão. Estou muito feliz pela minha sexta vitória consecutiva e estou pronto para o que o UFC decidir – declarou o pernambucano.

Abraços.

  • Rubens Rodrigues

    Pensei em alguma coisa pra comentar sobre o evento e tudo mais, porém, o seu maravilhoso texto já disse tudo! Só mesmo pra completar, eu fiquei super ansioso para a luta principal… pra chegar lá e acabar mais rápido do que eu esperava (foi o KO/TKO mais rápido da história do MMA feminino 66 segundos).
    Parabéns pelo excelente texto e pelo grande trabalho.
    Grande abraço!

  • Deodoro Junior

    Renato, o ranking de apostas está errado, com problemas! Na lista estou em 38º com 50 pontos. Mas no resumo apareço em 114º com 30 pontos. O que aconteceu?
    Meu nome está como Deodoro Junior

  • zagolee

    Vou resumir…

    1. Herb Dean parou a luta precipitadamente pela segunda vez.

    2. Ronda Rousey nunca enfrentou alguém do calibra da Chis Cyborg.

    3. Daniel Cormir x Rashad Evans precisa acontecer.

    4. Se Demian tivesse ganho no primeiro round seriam dois prêmios na noite, mas infelizmente sua energia só durou 1 round…

    5. Rafael Assunção merece lutas maiores.

    • Dan Mendes

      2- e nem Cyborg enfrentou alguém do calibre da Ronda.

      • zagolee

        E quem vc acha que ganha?

        • Dan Mendes

          Boa pergunta. Teoricamente a Cris, mas tem que ver como o corpo dela vai reagir ao corte e sem o uso de “bomba”.

  • Yuri

    Não dá pra culpar o Herb Dean dada a forma com a McMann caiu…

    Será que a Cris consegue manter a luta numa distância confortável pra ela? Porque a Ronda aproxima muito bem e quando colar, tenho certeza que a Cyborg vai pro chão.

    Cummins me pareceu um lutador interessante no pouco tempo que esteve ativo, apesar de não ter aguentado as porradas do Cormier. Acho que tem futuro no UFC…

    • Gonçalo Bispo da Silva

      Da sim, sabe por que? Por que ali é luta de cinturão, não é luta de amador. Quem esta ali, esta pra levar porrada. Ela caiu com muita dor sim e com pouca reação, mas os golpezinhos dados pela Ronda não foram contundente. Um profissional aguenta aqueles golpes facilmente.

  • Olimpio Silva

    1. A luta da Ronda prometia demais.. Começou a mil por hora e a Mcmann frustando os planos da campeã e não tava deixando barato não..

    Quanto à interrupção eu acho q o Herb Dean se precipitou.. Tenho certeza que se não fosse luta feminina ele teria deixado mais tempo, e a McMann já tava se levantando..

    Sei lá, da mesma forma que o Faber, acredito que essas interrupções prematuras (principalmente em lutas por cinturão) deveriam ser evitadas. Passa pela minha cabeça todo o camp, todo o esforço e dedicação que o atleta sofre para aquele momento, na sua cabeça ele vai preparado pra uma guerra, e ocorre uma coisa dessas, onde poderia ter aguardado mais. A frustação deve ser enorme perder desse jeito.

    2. Deu pra se empolgar com o começo da luta do Cormier e Pat, apesar do resultado ser beem previsível. Mas espero, pro bem da categoria, que o Pat consiga evoluir mto.

    E o Cormier tem tudo pra fazer luta duríssima com o Jones.

    3. Demian me surpreendeu no 1o Round, eu torcia mas não pensei que ele conseguisse passar todo o round com o domínio que foi sobre o Rory, ele inclusive desenvolveu mto bem o groundNpound que faz falta em muitas lutas dele.

    Inclusive me surpreendeu na parte em pé, enquanto teve gás, visto que encaixou boas sequências no Rory.. Na minha visão sua falha imperdoável foi no GÀS. E putz, brasileiro, em geral, é foda pra morrer no gás, é incrível!! Parece que é o 2o oponente que brasileiro enfrenta e custa muitas vezes a luta.

    Se for a questão da descida do peso o Demian precisa rever urgente, porque ainda mais pelo jogo dele de grapling não vai conseguir se manter no top 5 da categoria. Acredito que depois de ver a luta, se ele tivesse mais GÁSolina no tanque tinha grande chances de vencer a luta.. pq se ele não tava no msm nível do Rory (q é um dos melhores strikers da categoria com seus jabs e jogo de pernas), ele conseguiu incomodar, e como mostrou no 1o round, só precisava de uma brecha pra não sair mais de cima no round. Se ele conseguir melhorar muito essa parte, ainda existe esperança..

    4. Era previsível o nocaute do Mike Pyle, apesar do Wald. ter dado trabalho na trocação. E a luta do Thompson foi foda!! Apostaria cegamente numa decisão pelo Whitaker (até por ele ser mais completo), mas a trocação não o favoreceu e ele não conseguiu mudar o jogo..

    Acredito que seriam boas lutas pro Erick Silva tanto o Pyle (que é porteiro do top 10) quanto o Thompson. Destas lutas temos como avaliar até onde ele tem talento pra chegar na categoria.

Tags: