Pensando alto: a análise informal do UFC FN 36

Renato Rebelo | 16/02/2014 às 05:18

Com 10 decisões em 12 lutas, o UFC Fight Night 36 teve a pachorra de igualar o recorde negativo do UFC 169.

O card principal, pelo menos, entregou algumas doses de adrenalina à massa, anestesia pela sacal porção preliminar.

Bom, cortando o papo furado, vamos à minha sempre meia-bomba leitura do filé mignon:

LYOTOLyoto Machida x Gegard Mousasi

Cada vez que Lyoto dá as caras como médio fico mais convencido que algum tempo foi perdido com 93kg. Na nova faixa de peso, o carateca é mais rápido, resistente e perigoso. Apesar da ausência do nocaute – ou até mesmo de um knockdownzinho mixuruca-, aterrissar 28 golpes contundentes e sequer ser ameaçado por um kickboxer de grosso calibre é façanha para poucos. Confesso a vocês que a quantidade de sparings à disposição e a milhagem em grandes eventos de trocação me fez crer que a balança penderia para o lado do “Dreamcatcher” – mas equivoquei-me. O catarê Shotokan forjado no Pará encontrou o muay thai de Rafael Cordeiro e o resultado é pura nitroglicerina. Nos dias atuais, enfrentar o “Dragão” em pé é dose pra mamute.

Não consegui trazer o Lyoto para o meu jogo. Ele parecia estar sempre um passo a frente de mim na luta. É muito difícil pegar o ritmo dele, simplesmente nem comecei a lutar. Parabéns, Lyoto – reconheceu o iraniano.

JACARERonaldo Jacaré x Francis Carmont

Ronaldo tá longe de ser um peso-médio pequeno, mas, perto do francês, Jacaré parecia lagarto. Exatamente por isso – e pelo belo trabalho de manutenção de distância de Carmont-, praticamente todos os seus golpes passaram no vazio. Do alto dos seus 1,98m de envergadura, o produto da Tristar Gym começou a sentir gosto de sangue e, não fosse por um “pequeno” detalhe, poderia ter quebrado a banca. O detalhe a que me refiro são mais de 25 anos ralando a cara no tatame. Com duas pegadas de costas que consumiram quase 10 minutos de prosa, Jaca passou em outro teste rumo ao topo da montanha.

Vou ter que ficar parado por aproximadamente um mês e meio. Terei que fazer uma artroscopia para limpar o braço – esclareceu o lesionado vencedor.

ERICKErick Silva x Takenori Sato

Em minha cabeça, havia uma enorme dúvida sobre a competitividade do campeão do Pancrase, inserido às pressas no monopolístico MMA ocidental. E não é que minha incerteza foi isolada logo no primeiro coice do “Indio”? Com apenas 52 segundos de ação, Sato, pupilo do imortal Kazushi Sakuraba, já estava mais amassado que bolinho Ana Maria em mochila. Infelizmente para Erick, não dá pra cravar se presenciamos atuação épica ou apenas o abatimento de um frango. De qualquer forma, o bicho, que não tem nada a ver com isso, fez o dever de casa.

Não senti nenhuma pressão para essa luta, senti uma motivação a mais. Pelo que aconteceu na última luta, quis treinar mais ainda para performar. Fiz o melhor “camp” da minha vida – falou Erick.

MUSOKENicholas Musoke x Viscardi Andrade

Se arrependimento matasse… Quando o sueco caiu feito presunto de Parma no primeiro round, Viscardi perdeu cerca de dois preciosos segundos (comemorando precocemente) que, se revertidos em socos, poderiam lhe garantir a segunda vitória consecutiva no UFC (ou não também, quem sabe). Resiliente, o companheiro de treinos de Alexander Gustafsson aguentou firme a dor e, no volume, sobrepujou um cansado Viscardi nos dois rounds seguintes. Decisão dolorosa daquelas que rendem boas noites em claro.

Sim, eu estava machucado. Entrei em modo de sobrevivência e apenas pensei em continuar a lutar, lutar e lutar – disse Musoke.

CHARLESCharles do Bronx x Andy Ogle

Num certo podcast, Cristiano Marcello avisou que o inglês, seu companheiro de TUF 15, era difícil a balde de ser finalizado. Mas água mole em pedra dura e o jiu-jítsu plástico do produto da Bronx Gold Team mataram a charada. Infelizmente para Seu GordonDona Jan, Ogle se deixou envolver de forma surpreendente pelo agarra-agarra de Charles e não foi nem sombra do cara que dominou Josh Grispi e deu trabalho a Akira Corassani no passado. Triângulo justinho e 50 mil extras a serem gastos na Baixada Santista.

Não acho que foi ele que aceitou o jogo de chão, acho que fui eu que consegui impor meu ritmo. Quedei várias vezes e consegui trabalhar o meu jiu-jítsu – mandou o paulista.

Abraços.

  • Abílio

    Jaragua não tem um sala pra coletiva de imprensa pós evento? Que caído..

  • zagolee

    Lyoto simplesmente deu um show!

    Excelente luta!

  • Felipe Pereira

    A perfomance do lyoto realmente deixa a gente triste e feliz ao mesmo tempo.
    Feliz pq ele deu um show de karatê e mma e triste pq ele poderia estar nos medios há mais tempo. Mas com o Anderson reinando na categoria era meio difícil mesmo!

    • zagolee

      Lyoto foi campeão na 93 amigo, isso não basta?

  • leo

    Francis Carmont se mostrou um lutador melhor do que todos nós achávamos que ele era, pelo menos na parte defensiva, já que efetividade no ataque nunca foi o forte do francês; nunca será campeão do UFC, nem mesmo top 5, mas apresentou resistência suficiente para complicar alguns bons nomes na categoria como Munoz, Kennedy, Bisping etc.Sobre as lutas principais, tirando o lado torcedor para escanteio, deixando claro que gosto de ver todos os tops em ação, Weidman, Vitor, Anderson, Jacaré e Lyoto, e dando apenas uma opinião, não acho que os brasucas vitoriosos na noite de ontem se dariam bem contra o atual campeão dos médios numa eventual luta pelo título. Dos três que formam o corredor polonês para o americano, vejo o Vitor em um nível mais próximo do Weidman e Anderson Silva – embora muitos digam que o Belfort não se apresenta bem contra os caras do wrestling de alto nível e tudo mais. Acredito que para o Jacaré e Lyoto vai acabar faltando algum detalhe para vencer o CW ou até mesmo o Vitor, caso este passe a ostentar o cinturão a partir de 24 de maio.

  • Leo Ferreira

    Lyoto mostrou que é o melhor trocador da divisão ao bater Mousasi deforma tão segura e irreprensível, ao meu ver, pois o Iraniano é duríssimo de se nocautear e anda pra frente sempre e troca muito bem, mas o brasileiro deu um show e bao se deixou achar no octogono, apresentação perfeita. Jacaré é um monstro e Carmount mostrou que é muito duro e vai dar trabalho pros top 10.

  • Leo Ferreira

    Mousasi vs Rockhold?

    • zagolee

      Jacaré x Rockhold II

  • leo

    Um fato negativo que vem saltando aos olhos dos fãs é a gritante queda de qualidade das lutas nos cards preliminares nos shows do UFC do ano passado para cá em todos os mercados, não somente no Brasil. As primeiras lutas do evento sempre serviram para apresentar novos prospectos, lutadores com qualidade,com poucas lutas no Ultimate, porém com potencial para serem desenvolvidos na organização e se tornarem lutadores representativos, não necessariamente campeões, em um futuro não tão distante; Chris Weidman, para dar um exemplo, colocou Tom Lawler para dormir no card preliminar do UFC 139 Shogun vs Hendo. O acordo do UFC com a Fox, aumentando o número de eventos da Zuffa no canal, principalmente na parceira Fox Sports 1 e a expansão da organização pelo mundo, fazendo com que sejam oferecidos contratos a lutadores de relevância local, mas muitas vezes com talento insuficiente para fazer parte do melhor torneio de MMA do mundo são os fatores que contribuem para o atual cenário. A mão de obra de qualidade não atende a demanda exigida, simples assim. O problema é que os executivos do UFC não parecem muito preocupados com isso, fator desanimador para os fãs, que terão que se acostumar com esse panorama.

  • Vicente Fernandes

    o card principal apesar de 3 decisões foi um bom card com lutas tecnitas e movimentadas gostei mt da atuação do lyoto e do jacaré faltou muito pouco pra ambos finalizarem suas lutas mais lutaram de forma contundente e sempre buscando finalizar porem pegaram pedreiras,lyoto merece disputar o cinturão pelo fato de ser ex campeão e muito popular e o jacaré faz mais uma luta antes da disputa de cinturão (talvez contra o vencedor de bisping vs kenedy ou rock vs boetsch);

Tags: