Pensando alto: a análise informal do UFC on Fox 9

Renato Rebelo | 15/12/2013 às 03:17

As ausências de Carlos Condit e Matt Brown até foram sentidas – mas, no final das contas, não tiraram o brilho do card principal do UFC on Fox 9.

Em SacramentoCalifórnia, o joio do trigo foi separado nos pesos galo e pena e um Ratinho Encrenqueiro se solidificou como um dos melhores peso por peso do planeta.

Cortando o papo furado, vamos à minha confusa leitura do evento:

JOHNSONDemetrious Johnson x Joseph Benavidez

Abro mão de uma tira de couro das costas se alguém provar que botou grana num KOzão do “Mighty Mouse” no primeiro round. Até empate e “no contest” eram resultados mais razoáveis… No mais, aos que diziam que o peso-mosca bate feito miss universo, está aí a prova do que acontece quando punho encontra queixo em momento propício. “Joejitsu”, notoriamente o mais poderoso dos dois, vacilou ao abaixar a guarda para chutar e caiu babando. Oitavo vice-campeonato para a academia Alpha Male e terceira defesa de cinturão bem-sucedida do soberano Johnson.

As pessoas dizem que eu não tenho poder de nocaute, mas estou sempre melhorando com o Matt Hume. Meus treinadores trabalharam para manter meu peso pra baixo e acertar um golpe poderoso. E ainda tem muito mais por vir – garantiu o campeão.

URIJAHUrijah Faber x Michael McDonald

Com 34 primaveras e quatro disputas de cinturão nas costas, o “Califórnia Kid” vestiu a farda de Sun Tzu e mostrou pro garotão com quantos paus se faz uma canoa. No primeiro round, 10 a 9 morno, porém simbólico. Faber apenas provou que a queda estaria ali a qualquer momento. No segundo, o abre alas foi a combinação pedrada de direita + pêndulo pra esquerda fintando uma troca de nível. Acuado pela possibilidade de cair novamente, “Mayday” passou a jogar com a guarda mais baixa e pagou por isso. Daí, Faber conectou um cruzadão, cheirou sangue e terminou a bagaça guilhotinando. Não tem mais desenrolo, cupinchas, o próximo adversário de Renan Barão ou Dominick Cruz está decidido.

O Faber está na zona do Vitor Belfort. Quanto mais velho, melhor ele fica. Ele, literalmente, desligou o Michael durante toda a luta e o finalizou. Grande performance! Você pode até odiar ele, mas não dá pra negar (outro “title shot”) – suspirou Dana White.

MENDESChad Mendes x Nik Lentz

No primeiro round, deu a lógica: sem o domínio do meio-campo, “Carny” se portou como peixe fora d’agua e foi hostilizado pela mão direita do rival. A zebra se recompôs no R2 e passou a incomodar com sua envergadura superior. “Money”, surpreendentemente, paçocou pondo as regras debaixo do braço. Em todos os diretos lançados por Lentz surgia imediatamente double leg relâmpago – seguido por um ou dois minutos de inércia no solo. Por que o mais novo nocauteador da praça recorreu ao passado unidimensional se levava vantagem em pé? A segurança extra seria justificada pelo patrão:

Ele (Chad Mendes) disse pro Joe Silva que estava com uma virose e sentiu muito mal hoje à noite – revelou o careca.

LAUZONJoe Lauzon x Mac Danzig

Quando é posto contra a parede, “J-Lau”, o homem bônus, nunca decepciona. É verdade que dessa vez não rolou aquele cheque extra, mas pra quem vinha de três derrotas em quatro lutas, bater um cara duro como Danzig é morfina na veia. E tudo graças a seu jiu-jítsu ofensivo. Teve uma pá de passagens de guarda, montadas e até um bracinho estalado. E mesmo assim o cara não se dá por satisfeito. É mole?

Acho que fiz uma grande luta. Mas… Ficou um gosto amargo por que foi minha primeira vitória por decisão na carreira – brincou o Lauzon.

Luta da Noite: Edson Barboza x Danny Castillo. Decisão justa à favor do brasileiro ou o empate (10 a 8 no R1) seria mais adequado?

Abraços.

Tags: